Páginas

segunda-feira, 25 de abril de 2011

A dúvida

Durante muito tempo eu ouvi falar na Marie Lafayette, mas eu nunca imaginei que fosse acabar indo ao atelier dela. Vamos a todo o contexto que me levou até ela.

O vestido de noiva era algo que não preocupava. Como eu não ligo muito pra roupas (se está confortável eu compro) achei que seria a mesma coisa com o vestido.

Só que depois de uma ida a uma das lojas mais indicadas pelas noivas experientes e não me encantar por nenhuma vestido e simplesmente odiar em mim os que eu acho bonito nos outros comecei a me preocupar.

Pra completar o drama, que já estava crescendo a passos largos no interior dessa noiva, na segunda-feira conhecia 3 noivas superfofas (Musa, Biessa e Beatriz) e revi a Juju, ela foi tão fofa me contando que lembrou de mim no Big Day da mãe dela e quando eu comecei a contagem regressiva de verdade. No encontro falamos de tudo, do sapato a crise imobiliaria. Mas quando elas falaram dos vestidos angustia retornou.

No dia seguinte, vi as fotos do vestido da Musa e a confusão estava feita. Liguei na mesma hora pro Atelier da Marie Lafayette e marquei um hora. Tirei meu dia de folga pendente e fui, sozinha porque todos trabalhavam naquele dia.

Gente, o que é o tratamente. Eu não conheci a Marie. Mas a Ingrid, a Natalia e a Gabi foram muito atenciosas comigo. A Ingrid ficou durante muito tmepo em vestindo diferente modelos apenas pra me dizer o que ficava bom em cada parte do corpo e quais eram os melhores tecidos pro meu tipo de casamento.

E ela deixou por último o vestido que mais gostei nas fotos...

Não sei se já contei, mas o meu lema era usar um vestido megaconfortavel pra me acabar na festa, por isso, muitas vezes, pensei em casar de curto. Mas todo mundo me diz que eu só tenho essa chance de me sentir noiva...

Enfim, o modelo que pedi pra ver era um que tinha o grande e o curto...

Experimentei por último e confesso que ouvi sininhos, os olhos encheram de lágrimas e eu tive certeza que era ele.

Agora eu tô aqui morrendo pra decidir o que fazer.

Não esperava gastar tudo que vou gastar com esse vestido, mas ao mesmo tempo tenho que decidir rápido porque a Marie só faz 14 vestidos por mês e pra abril só tem mais umas 6 vagas...

O meu noivo (mais fofo do mundo) falou: você gostou, faz!

A gente está fazendo tudo como sonhou, não vai ser nesse detalhezinho que vai mudar...

Fofo, né?

Mas tem o lado ruim... cortou várias besteirinhas que eu queria...

Ai, vida... ai dúvida cruel..

4 comentários :

Juju e Beto disse...

Qual é a dúvida Tati?!?! Vc mesma em sua frase já deu a resposta para o dilema: Besteirinhas!!! Dessas, ng lembra. Já na noiva... Quem não repara??? =) Vc tem que sentir perfeita, o máximo! Super apoio o vestidón dos sonhos!!!!

Helen Harris disse...

Eu concordo com seu noivo nessa: se gostou, faça! E se as "besteirinhas" realmente são "besteirinhas," na hora H, não irão fazer falta :)
Beijinhos e boa semana!

Beatriz Amaral disse...

aaaahhh, esse noivo é muito fofo mesmo! e quanto as besteirinhas, você já deixou bem claro pelo nome que não é nada essencial... já o seu vestido, é algo super importante! você tem que se sentir linda e se rolou um clima com esse vestido, você tem mais é que ficar com ele!

beijos!

fernanda disse...

Oi Tati... Fazia tempo que não vinha aqui e agora que vim, fiquei feliz com seu post... Eu fui uma das primeiras de 2012 a fechar com a Marie. Estou pagando bem caro, beeem mais do que eu imaginava (até porque estou comprando, não é aluguel) mas posso te dizer com propriedade: foi uma das melhores escolhas do meu casamento. Não tenha mais dúvidas.. Se vc gostou, feche com a Marie!

beijos